Meu filho não me respeita!

violencia_padre_hijo_int

A cada dia, tem se tornado mais comum o relato de pais e mães, especialmente mães, de que os filhos simplesmente não os repeitam, por mais que sejam dadas ordens. O que está acontecendo nessas famílias?

Existem uma série de fatores que fazem com que os filhos não obedeçam. O principal deles, talvez o maior engano dos pais, é repetir o mesmo ensinamento várias vezes. Grande parte dos filhos fazem coisas que não são permitidas não por desconhecimento, mas sim por desrespeito ao que já foi ensinado. A modernidade tem feito com que os pais acreditem que a escola tem a obrigação de educar as crianças, o que faz com que o pais abram mão de disciplinar os próprios filhos. Isso nada mais é do que a grande falta de conhecimento e também comodismo por parte dos pais. À medida que os pais acreditam que a disciplina e os limites devem ser implantados pela escola, eles não se sentem no papel de educadores dos filhos e com isso simplesmente “desaprendem” essa função, tão importante para a formação do caráter e dos valores da criança. Para os pais, os filhos são para sempre. Não obstante, para a escola, os alunos são sujeitos que permanecerão na instituição por algum tempo. Quase tudo o que acontecer com os filhos, cairá sobre os pais.

Os pais modernos trabalham durante todo o dia e normalmente mantém os filhos na escola ou com parentes. Quando têm momentos com os filhos, não conseguem ter autoridade e liderança suficientes para determinar regras, o que faz com que eles se tornem repetitivos. Observo muitas mães no consultório que “mandam” o filho parar com o que está fazendo. O que essa mãe considerou como uma ordem, na verdade era uma súplica, um pedido para que o filho parasse de executar algo que ela não estava considerando positivo. Após a “ordem-súplica”, a mãe se mantinha firme olhando para o filho e esse olhar acabava por permitir que o filho lhe retrucasse. Diante disso, o comportamento natural de uma criança é implorar, contra-argumentar, insistir, fazer birra, chorar, gritar, espernear, se jogar no chão, enfim fazer de tudo para que a mãe volte atrás em sua ordem. Quando a mãe continua olhando, o filho compreende que esse olhar pode e deve ser vencido por ele.

Quando o filho insiste, ele até acata a ordem que a mãe deu, mas insiste para demovê-la. Quando o filho não acata, ele se mantém da mesma maneira que antes, ignorando a informação e agindo como se nada tivesse acontecido. A insistência da mãe em dizer não fortalece o filho a continuar em sua luta.

Sendo assim, como a mãe deve agir? A partir do momento em que a mãe deu a ordem, ela não deve dizer absolutamente nada. Deve apenas levantar-se e sair do campo do olhar do filho, para que dessa maneira, ele compreenda que ela não irá ouví-lo e que por isso ele deve obedecer. Essa não é uma tarefa simples para mães e pais que não estão acostumados com esse tipo de atitude, mas fundamental para que o filho se torne um sujeito de alto desempenho.

Anúncios

Deseja ser aprovado em um concurso público? Siga as dicas…

download

No atual contexto brasileiro, se torna cada vez maior o número de pessoas que desejam estabilidade financeira e um emprego seguro. Felizmente, essa realidade é bem atingível para um grupo considerável de sujeitos, visto que também é crescente a abertura de vagas que são ocupadas através dos concursos públicos. Você deseja ardentemente uma dessas vagas? Então, prepare-se: há uma série de coisas que precisam ser estudados e uma infinidade de livros e apostilas para serem lidos.

É extremamente comum que muitas pessoas escolham o início de um ano para começarem a se dedicarem aos estudos. Entretanto, estando no mês de janeiro, você observa que muitos de seus amigos estão em férias escolares e você acha que merece descansar um pouco. Em fevereiro, ainda em ritmo de férias e com a chegada do Carnaval, você pensa que ainda há muito tempo para estudar a partir do mês de março e adia mais um pouquinho. No mês de março, seu irmão lhe indica um jogo online sensacional, que faz com que você disponha de todo o seu tempo livre para desfrutar dessa delícia. Passam os meses de abril, maio… De repente, você se depara com uma quantidade inacreditável de conteúdos para estudar, e o tempo parece mínimo. O que fazer?

Esse hábito, tão comum, mas ao mesmo tempo tão ruim, tem um nome: PROCRASTINAÇÃO, tema este já desenvolvido em outro texto exposto nesse blog. A procrastinação é algo tão comum entre os estudantes, que muitas universidades americanas mantêm páginas em seus sites oficiais com conselhos de como vencê-la. No Brasil, ainda não foram desenvolvidas páginas que trabalham especificamente com esse tema. Enquanto isso não acontece, seguem algumas dicas para você deixar de procrastinar e se dedicar rigorosamente aos estudos.

1) Saiba o que deseja: Você realmente deseja passar em um concurso público? Se a resposta é sim, certamente se sentirá motivado a lutar por isso. Se você está em dúvidas, certamente a motivação não será a mesma. Desse modo, resolva essa questão o quanto antes e descubra o que realmente quer fazer.

2) Organização é fundamental, mas a diversão também: Ter tempo para todas as atividades é uma necessidade. Dormir, se alimentar bem e se divertir são coisas cruciais para que você se dê bem nos estudos. O que não pode acontecer é se dedicar exclusivamente aos momentos de lazer. A sugestão é elaborar um cronograma com as tarefas que precisam ser feitas, incluindo nele um espaço para os momentos de diversão.

3) Comece: O ditado “não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje” é uma lei para quem deseja verdadeiramente estudar. Na verdade, é muito bom para nós mesmos que criemos o hábito de começar já tudo o que temos que fazer. Substitua o “mais tarde eu faço” pelo “vou resolver isso imediatamente”.

4) Elimine as distrações: Quando for estudar, não hesite: desligue a TV e o celular. Os aparelhos eletrônicos, de um modo geral, são as maiores distrações de quem deseja estudar. Então, definitivamente, mantenha-os longe de você nos momentos em que estiver estudando, e desligue-os.

5) Estudar deve ser sua nova profissão: Seu intuito é passar em um concurso público, certo? Isso quer dizer que, quando estiver trabalhando, será um profissional responsável e dedicado. Assim como acontecerá em sua vida profissional, é necessário que você, como estudante, cumpra horários, se organize, faça cronogramas de trabalho e siga os planos com seriedade e disciplina.

6) Gostar de estudar exige treino: Esforce-se ao máximo para aprender a gostar dos conteúdos que você precisará estudar. Começar uma tarefa acreditando que essa será ruim e maçante é desmotivador e fará com que você rapidamente desista. Seu cérebro capta essa informação negativa e seu comprometimento com os estudos, consequentemente, será menor.

Pare, pense, mude de conduta e… Bons estudos!

Parceria entre família e escola: uma necessidade

escola-familiaA família é o primeiro contato que todos nós temos com a sociedade. Por isso, o ambiente familiar é o que fará com que nos desenvolvamos física, social e mentalmente. Há algumas décadas, o pai e a mãe eram os grandes responsáveis por conduzir a criança rumo à convivência social. Não obstante, ao passar dos anos, a estrutura familiar foi se modificando, saindo de uma formação padronizada (pai, mãe e irmãos), para uma grande variedade de estruturas (pais separados, mãe/pai solteira (o), avós criando netos, entre outros), o que foi fazendo com que os sujeitos tivessem formações completamente divergentes. Na etapa de formação das crianças, o que esta aprende certamente será reproduzido naturalmente na adolescência e também na fase adulta.

Desde o nascimento, somos inseridos em uma série de conceitos, regras, crenças e valores. E é a família a instituição que forma a nossa identidade e estimula o nosso desenvolvimento psíquico e emocional. À medida que a criança se desenvolve, ela expõe tudo aquilo que absorveu.

Sendo assim, tanto as boas referências quanto as ruins, ficarão evidentes quando a criança for apresentada ao ambiente escolar. É indiscutível que a escola é a segunda instituição mais importante na vida de todas as pessoas. É nela em que nos deparamos com os grandes desafios de aprendizagem e de convivência em sociedade. Longe da família, a criança exercita sua autonomia e deixa claro todos os ensinamentos e educação que lhe foram passados.

Um dos primeiros e maiores desafios do educador é fazer com que as crianças compreendam e reconheçam o papel do professor na escola, que não é de pai ou mãe, mas sim de transmissor de conhecimentos e de disciplina. Muitas crianças compreendem com facilidade a hierarquia escolar e atendem satisfatoriamente às expectativas dos professores. Normalmente, esse grupo é incentivado pela família para agir com respeito e benevolência com os professores. Em contrapartida, outras crianças se revoltam, deixando claro que houve algum tipo de falha na educação que lhe foi passada em casa.

Devemos nos lembrar que a educação é um dever não somente do Estado, mas também da família. Isso quer dizer que um complementa o outro. Se um dos dois falha, a educação da criança também será falha. O Estado tem a obrigação de oferecer escola de qualidade, assim como a família tem o dever de educar e preparar seus filhos a conviver em coletividade. Em suma, a família e a escola formam uma equipe. Então, é imprescindível que ambas sigam os mesmos princípios e critérios, bem como a mesma direção em relação aos objetivos que desejam atingir. Ressalta-se que mesmo tendo objetivos em comum, cada uma deve fazer sua parte para que atinja o caminho do sucesso, que visa conduzir crianças e jovens a um futuro melhor.

O ideal é que família e a escola tracem as mesmas metas de forma simultânea, propiciando ao aluno uma segurança na aprendizagem de forma que venha criar cidadãos críticos capazes de enfrentar a complexidade de situações que surgem na sociedade.

Cada uma dessas instituições podem oferecer contribuições satisfatórias para o desenvolvimento pleno das crianças. Alguns critérios devem ser considerados como prioridade para ambas as partes. Como sugestões seguem abaixo alguns deles:

Família

• Selecionar a escola baseado em critérios que lhe garanta a confiança da forma como a escola procede diante de situações importantes;

• Dialogar com o filho o conteúdo que está vivenciando na escola;

• Cumprir as regras estabelecidas pela escola de forma consciente e espontânea;

• Deixar o filho a resolver por si só determinados problemas que venham a surgir no ambiente escolar, em especial na questão de socialização;

• Valorizar o contato com a escola, principalmente nas reuniões e entrega de resultados, podendo se informar das dificuldades apresentadas pelo seu filho, bem como seu desempenho.

Escola

• Cumprir a proposta pedagógica apresentada para os pais, sendo coerente nos procedimentos e atitudes do dia-a-dia;

• Propiciar ao aluno liberdade para manifestar-se na comunidade escolar, de forma que seja considerado como elemento principal do processo educativo;

• Receber os pais com prazer, marcando reuniões periódicas, esclarecendo o desempenho do aluno e principalmente exercendo o papel de orientadora mediante as possíveis situações que possam vir a necessitar de ajuda;

• Abrir as portas da escola para os pais, fazendo com que eles se sintam à vontade para participar de atividades culturais, esportivas, entre outras que a escola oferecer, aproximando o contato entre família-escola;

• É de extrema importância que a escola mantenha professores e recursos atualizados, propiciando uma boa administração de forma que ofereça um ensino de qualidade para seus alunos.

A parceria da família com a escola sempre será fundamental para o sucesso da educação de todo indivíduo. Portanto, pais e educadores necessitam ser grandes e fiéis companheiros nessa nobre caminhada da formação educacional do ser humano.

Disciplina é a lei!

logo_com_america

Você certamente conhece algumas pessoas que simplesmente são bem sucedidas em tudo o que fazem: profissionalmente, se mantém em ótimos relacionamentos afetivos, familiares e com amigos, praticam esportes e ainda têm tempo para cumprir tarefas ocasionais sem ao menos se estressar ou se desmotivar. Sorte? Destino? Não. O segredo para uma vida de sucesso tem um nome simples, mas nem sempre fácil de ser cumprido: disciplina.

A disciplina é uma das qualidades para a construção de uma vida que vale a pena. As pessoas de sucesso mantêm um equilíbrio entre trabalho, família, estudos e até mesmo conseguem tempo para fazer nada”, afirma o consultor de empresas Eugênio Mussak, autor de nove livros, entre eles Preciso Dizer o Que Sinto (editora Integrare). Segundo o escritor, ser disciplinado não significa ser rígido. Ao contrário do que se pensa, até para levar uma rotina com leveza é preciso disciplina. “O disciplinado é o mestre da própria vida porque ele define como seguir o seu caminho”.

Mais do que um comportamento, a disciplina é um estilo de vida. Esta harmoniza liberdade de escolha, o que faz com que você tenha controle de suas próprias ações. Para tal, é primordial o autoconhecimento. Mussak diz que “disciplina depende, acima de tudo, de se conhecer. Se você sabe das suas forças e fraquezas, é mais fácil acertar nas escolhas. E a maior de todas as liberdades é saber escolher o que é certo para você.”

O autocontrole só é atingido quando a pessoa consegue manter uma vida com disciplina. Quando você não se conhece, o que pode acontecer é se tornar um sujeito altamente manipulável, especialmente no campo emocional. Quando você se conhece, sabe diferenciar com clareza o que realmente deseja, precisa fazer ou deve aceitar.

Qual é a melhor forma de exercitar a disciplina? Não existe uma fórmula única, já que cada pessoa reagirá de maneira particular, mas uma boa orientação seria fazer escolhas que agradam a si mesmo e viver o dia-a-dia sem ultrapassar os próprios limites.

Definir o que é importante e o que é fundamental na própria vida também pode ser interessante. Por exemplo, para muitas pessoas, o trabalho é importante, mas ter saúde e viver bem com a família é fundamental. Isso fará com que você faça escolhas mais sensatas e evita, posteriormente, sentimentos de culpa.

Além disso, quanto tempo você tem se dedicado à família? A atividades regulares? Tem cuidado de sua saúde física? E de sua saúde mental? Tem praticado exercícios físicos regularmente? Tem se dedicado ao seu desenvolvimento profissional? Separa mensalmente uma parte da sua renda para um projeto futuro? A ideia é fazer com que cada uma dessas respostas seja dada da maneira mais positiva possível. Isso é um sinal claro de disciplina. Como a disciplina é uma competência, esta pode ser aprendida e treinada a partir da decisão e da persistência de cada um de nós. Em suma, quando a disciplina está presente, tudo aquilo que é planejado será executado, sem a menor dúvida.

Como organizar o meu tempo???!!!

Imagem

Saber organizar o seu tempo pode ser uma excelente solução, já que o tempo é um precioso recurso. Apesar de ser algo externo a nós, o tempo pode ser administrado desde que estabeleçamos uma parceria com ele. É extremamente comum escutarmos pessoas dizendo que estão sem tempo para nada. Aliás, é ainda mais comum falarmos isso com sujeitos, como forma de desviarmos de exigências que estes no fazem, tais como visitá-los, sair, estudar, dentre outros.

Sendo assim, comandar o tempo é organizar toda uma vida nas 24 horas de um dia. A grande sacada não é administrarmos cada tempo diário, e sim a nossa própria vida dentro desse tempo. O que passou nunca mais volta e o que esta por vir pode ter uma qualidade melhor se planejado adequadamente. Aprender administrar o tempo é uma das ações mais importantes que qualquer pessoa pode fazer para melhorar suas chances de sucesso na vida.

Por isso, administrar as atividades do cotidiano se torna uma tarefa obrigatória para quem quer realizar e concluir seus afazeres.

DICAS PRECIOSAS PARA ORGANIZAR O SEU TEMPO:

Crie uma agenda diária: O ideal é que, no começo de cada dia, você escreva uma lista de todas as atividades que pretende realizar. Caso não consiga executar todas as tarefas, reescreva as que não foram feitas na agenda do dia seguinte.

Não acumule pendências: Organizar tudo o que necessita da maneira mais rápida possível pode ser um grande organizador. Não perder o foco e se concentrar na tarefa que está executando no momento são os grandes diferenciais.

Estabeleça prioridades: Verificar o prazo em que a tarefa pode ser realizada e em qual tempo verdadeiramente ela é executada faz com que você deseje fazer a atividade em um tempo menor. Deve estimar ainda quem melhor pode realizar a tarefa, você mesmo ou outra pessoa? Qual o prazo?

Facilidade: Atividades de rápida execução e facilidade na realização podem ser feitas primeiro desde que reservado o tempo adequado para as mais complexas. Essas últimas devem, se possível, serem divididas, ou seja, faça por partes para não desperdiçar o tempo sem proveito e resultado.

Organize o espaço físico: Trabalhar em um espaço organizado faz com que se torne mais fácil ser disciplinado e não adiar tarefas. A desorganização influencia negativamente a capacidade de tomar decisões. Diariamente examine os papéis e faça uma seleção.

Discipline as interrupções: As interrupções interferem no ritmo do trabalho, tornando o nosso desempenho menos eficiente. Dedique um tempo, uma hora do dia (por exemplo), para responder a interrupções como e-mails e telefonemas.

As peças-chave para uma gestão eficaz do tempo são a disciplina e a determinação. A organização do tempo pode ser vista como sinônimo de inteligência, competência e profissionalismo.