Diabetes: uma doença emocional?

diabetes

A cada dia tem se buscado mais comprovações de como as emoções desequilibradas podem ser desencadeadoras de doenças. Falando especificamente sobre a diabetes, estudos comprovam a ligação entre o estresse e essa doença.

Para que um sujeito esteja saudável, é fundamental que o contexto emocional também esteja bem, visto que as emoções abaladas podem ser causadoras de doenças e seus possíveis agravamentos.

A diabetes emocional não existe, mas é sabido que as emoções podem, de maneira indireta, desencadear a doença. Esse mal ocorre a partir do acúmulo de açúcar no sangue, o que pode ser facilmente comprovado através de exames. Não obstante, a diabetes pode sim, ser desencadeada a partir do emocional fragilizado. Assim sendo, a condição emocional não causa a doença, mas pode desencadeá-la em indivíduos que apresentem predisposição a desenvolvê-la. Não é raro eu me deparar com pacientes que foram diagnosticadas com diabetes pouco depois de vivenciarem um episódio de síndrome do pânico. Esse evento é chamado de diabetes emocional, ainda que não seja a causa direta da doença.

Existem três situações que tornam possível a elevação das taxas de açúcar no sangue: a quantidade de insulina é insuficiente, o pâncreas não produz insulina ou o corpo não absorve a insulina produzida. Em situações de estresse, o organismo libera hormônios cuja ação é contrária a da insulina, como por exemplo o cortisol e a adrenalina. Assim, a diabetes emocional pode ocorrer indiretamente pelo estresse crônico que em várias situações, causa a obesidade, que por sua vez aumenta o risco de desenvolver diabetes.

Quanto ao impacto emocional, existem duas maneiras desta ocorrer: na primeira, a diabetes se desenvolve a partir de um trauma repentino, como a perda de um ente querido ou a perda do emprego. Não obstante, a medicina acredita que nesses casos, a insulina do corpo já estava em quantia insuficiente e o paciente desenvolveria a doença em breve. Na segunda situação, o desencadeamento da doença se dá através de um estresse longo e prolongado. Normalmente, ocorre em pessoas que são submetidas ao estresse de modo contínuo, o que corrobora com a explosão da doença em pessoas dentro desse grupo de risco.

Os principais sintomas de estresse crônico são:

  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Ganho de peso;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Insônia e privação de sono;
  • Desânimo.

É interessante salientar que a diabetes infelizmente favorece o surgimento da depressão. Isso se explica a partir de:

  • Estilo de vida interrompido pela doença;
  • Dores constantes devido à neuropatia diabética;
  • Sentimento de solidão por causa da doença;
  • Histórico familiar de doença mental.

A prevenção da diabetes emocional inclui cuidados com o físico, como uma boa alimentação e a prática regular de atividades físicas, bem como o cuidado com o emocional, buscando aliviar os estresses e gerenciar os traumas psicológicos.

Quanto ao controle da doença, vale dizer que tanto a diabetes melittus quanto a diabetes emocional podem ser controladas de maneira natural, sem o uso excessivo de medicamentos. O grande desafio é a falta de conhecimento sobre como tratar a doença corretamente. Tanto o atendimento psicológico quanto o atendimento através da acupuntura são recursos altamente eficazes para o controle da doença. Vale à pena experimentar!

Preocupação – Ansiedade

procupada

A preocupação, até certo ponto, é um estado emocional importante para que possamos planejar diferentes formas de solução diante dos perigos.

Certamente, ela só é útil enquanto mantém uma relação lógica com as situações que vivemos. Contudo, a partir do momento em que a preocupação se torna algo persistente e permanente, que aparece em situações que de fato não apresentam perigo real, esta pode desencadear sérios problemas, visto que nos deixa em um estado constante de alerta e ansiedade. É uma sensação de inquietude que não cessa, na qual está presente a ansiedade como resposta fisiológica. É como se reconhecêssemos um perigo mesmo quando não há nada no exterior que nos indique a sua existência.

Infelizmente, existem pessoas que convivem a todo tempo com a angústia, o que as impede de vivenciar e apreciar os momentos mais elementares da vida, já que estão constantemente preocupadas e limitadas em suas atuações. E o mais complicado: esse estado as impede de experienciar emoções agradáveis, positivas e reconfortantes.

Um dos maiores problemas da preocupação excessiva é que esta lança mão de uma parte significativa de nossa energia mental, pois estamos a todo tempo pensando em diferentes soluções para os problemas que nos inquietam. Diante disso, se torna muito difícil nos concentrar em outras coisas.

Todo esse desgaste físico e psíquico pode desencadear patologias graves como as fobias, as compulsões e os ataques de pânico.

É fato que todos nós já vivenciamos o ciclo da preocupação: tudo se inicia com uma conversa íntima que salta de uma ideia para a outra aumentando com cada uma delas o grau de ansiedade. É comum que após enfrentarmos um obstáculo, digamos: “só me faltava mais essa…”. Essa frase é um clássico exemplo do início do ciclo de preocupação. A partir dela, começamos a fantasiar futuros e possíveis problemas que, normalmente, não têm nada a ver com a situação desagradável e/ou perigosa que enfrentamos.

O que se sabe é que o ciclo de preocupação não auxilia em nada na solução dos problemas. Não obstante, quando nos entregamos a ele, temos a sensação de que como estamos nos preocupando, estaremos evitando as dificuldades de maneira antecipada. É como se o hábito funcionasse como uma espécie de mantra que nos livra de percalços futuros. Mero engano.

A vantagem que a preocupação pode nos proporcionar é que notamos com menor intensidade a ansiedade. O sujeito que está muito preocupado, está tão focado na solução de um problema, que não repara nos sintomas da ansiedade como suores, tremores, taquicardia, entre outros.

O primeiro alarme soa diante de uma dificuldade gerada, comumente por um pequeno contratempo. Não é raro que nem saibamos o que nos causou o estado de alerta. A partir desse alarme, existe um moderado ataque de ansiedade, que gera mudanças fisiológicas em todo o organismo. Há uma inquietação, um desassossego. Há também uma grande circulação hormonal por todo o sistema circulatório, gerando um estado de tensão que por sua vez, desencadeia novas preocupações.

Assim, nossa atenção fica completamente focada nas preocupações. Essa seqüência de preocupações dilui o alarme inicial, o qual acreditamos não poder enfrentar, o que nos impede de focar na solução do problema que iniciou o ciclo. Se você tem se reconhecido nessa situação, busque ajuda terapêutica! É fato que ganhará qualidade de vida e bem estar!