Depressão na infância

figura depressão infantil

A depressão, um dos grandes maus da sociedade moderna, não é uma doença exclusiva dos adultos. Muitas crianças têm manifestado sintomas depressivos, cada vez mais jovens. Entretanto, os sintomas da depressão infantil normalmente não são levados em consideração, o que é lamentável.

Há alguns anos, acreditava-se que as crianças e os adolescentes não poderiam desenvolver esse transtorno. Felizmente, há pesquisas atuais que revelam que a depressão na infância e adolescência existe e deve ser levada a sério. Essas pesquisas estimam que dois por cento do total de crianças em idade escolar e aproximadamente cinco por cento dos adolescentes sofrem de depressão. A grande dificuldade em casos como esses é estabelecer o diagnóstico, precisamente porque nestas idades é frequente que a depressão se manifeste simultaneamente com outras doenças.

Além de uma predisposição genética, há uma diversidade de fatores que podem corroborar com o quadro de depressão durante a infância. Um dos fatores é, sem dúvida, a mudança do jardim infantil para a escola primária. Muitas crianças podem apresentar dificuldades de adaptação diante dos novos colegas e das maiores responsabilidades exigidas pela instituição escolar. O meio envolvente da criança age, pois, como uma influência direta.

Outro ponto que favorece o aparecimento da depressão na infância e adolescência são as discussões parentais. Pais que discutem frequente e violentamente na frente dos filhos fazem com que o ambiente familiar se torne, ao invés de afetuoso e acolhedor, um lugar de discórdias e problemas.

Por mais incrível que pareça, os primeiros sintomas da depressão podem se manifestar no bebê, devido ao fato de separar da mãe uma criança de tenra idade, não lhe proporcionando uma relação estável com outra pessoa que a substitua. O sofrimento pode sobressair de diversas formas, desde o choro constante até a falta de apetite.

As crianças em idade pré-escolar expressam o sofrimento muito mais através das expressões corporais do que pelas palavras. Quando as crianças estão na escola, é crucial dar atenção ao que elas nos dizem. Se lhes fizermos perguntas para explorar o seu estado de espírito, ou se estivermos atentos àquilo que pretendem transmitir pelas suas atitudes, saberemos que não se sentem suficientemente amadas.

É preciso observar ainda se a criança evidencia diminuição da autoestima ou ainda um comportamento agressivo. Podem acontecer também a prática de mentiras ou de pequenos furtos. É bem comum, do mesmo modo, que crianças com depressão se sintam inseguras e que demonstrem grandes dificuldades no campo dos relacionamentos.

Já na adolescência, o indivíduo pode manifestar atitudes tristes e depressivas. A ausência de esperança e o medo do futuro podem até dar origem a uma fuga à realidade, através do consumo de drogas.

É preocupante a situação de as queixas depressivas ficarem, na maioria das vezes, sem qualquer tipo de tratamento até a idade adulta. E é preciso lembrar que o diagnóstico precoce é um fator decisivo para uma qualidade de vida em longo prazo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s